Centrais pedem revogação da reforma trabalhista

Fonte: Redação

Representantes de setes centrais sindicais lançaram nesta quarta-feira, 6, a Agenda Prioritária da Classe Trabalhadora, no Sindicato dos Químicos, em São Paulo.

Com 22 propostas, o documento aponta diretrizes para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil, e será entregue aos candidatos  que disputarão a eleição em outubro.

“ A agenda é um instrumento para o enfrentamento da crise, uma pauta para influenciar o processo eleitoral”, disse Miguel Torres presidente  interino da Força Sindical São Paulo.

Entre as propostas, está a revogação da reforma trabalhista, que entrou em vigor em novembro de 2017, sob o argumento de gerar emprego e promover o desenvolvimento econômico do país.

“ Fomos contra a reforma desde o começo, pois sabíamos que não geraria emprego. Sete meses depois e o que temos são pessoas desempregadas e subocupadas. Não teve geração de emprego e sim de bicos”, disse  Vagner Freitas, presidente da CUT.

Ainda na esfera trabalhista, o documento traz a possibilidade da volta da contribuição sindical, o direito de negociação coletiva para os servidores públicos e a jornada de trabalho de 40 horas semanais.

Já na social, o documento pede o fortalecimento do Sistema Único de Saúde e a ampliação de políticas públicas para promover a igualdade para mulheres, negros, jovens, LGBTQI e migrantes.

“O trabalhador só tem o sindicato como última trincheira, portanto precisamos enfrentar esse desmonte unidos. A agenda é um dos nossos instrumentos de luta, o pontapé.”, finalizou Miguel.

No dia 10 de agosto, antes das eleições, as centrais realizarão o “Dia Nacional de Luta”, uma mobilização contra crise e o desemprego. O intuito é dar mais visibilidade as propostas reunidas na Agenda.

O documento ficará disponível nos sites das centrais, para visualizá-lo clique aqui 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *