Em festa do Sintracomos, críticas ao regime Temer

Fonte: Assessoria de Imprensa do Sintracomos

Críticas à reforma trabalhista e outras medidas do regime Temer tomaram o auditório do sindicato dos trabalhadores na construção civil, montagem e manutenção industrial (Sintracomos) na sexta-feira (20).

Auditório lotado do Sintracomos, sexta-feira, no aniversário do departamento de aposentados

Das 9 às 11h30, na comemoração dos 31 anos do departamento de aposentados do sindicato, alguns convidados focaram seus discursos na crítica aos atos do governo federal prejudiciais aos trabalhadores.

O primeiro a tocar no assunto foi o presidente do sindicato dos empregados na administração portuária (Sindaport, filiado à CUT), Everandy Cirino dos Santos.

“A nova lei trabalhista, ao contrário do que prometeu o governo, aumentou o desemprego e ainda por cima debilitou o movimento sindical, que precisa ser fortalecido”, disse o portuário.

O diretor licenciado do sindicato dos empregados da Petrobras (Sindipetro), Fábio Mello, elogiou a direção do Sintracomos “pela presença, nas fábricas, em campanha contra o que o atual governo fez de errado”.

O vereador de São Vicente Alfredo Moura (Pros) lembrou que há 19 milhões de aposentados no Brasil, equivalentes a 14,2% da população, e disse que o governo “só prejudica esse segmento”.

Ditadura

Diretor do sindicato nacional dos aposentados da central Força Sindical, Alfredo alertou para “os problemas decorrentes de ditaduras” e defendeu a participação dos trabalhadores nas lutas pela democracia.

O presidente do sindicato dos comerciários, Arnaldo Azevedo Biloti, disse que “a maioria dos trabalhadores ainda não percebeu os problemas decorrentes da reforma trabalhista”.

“Além da perda de direitos históricos, há também o desmonte dos sindicatos e a intenção de acabarem com a justiça do trabalho”, advertiu Biloti, que é um dos vice-presidentes nacionais da Força Sindical.

O diretor nacional do sindicato dos aposentados da Força Sindical, Carlos Andreu Ortiz, lembrou que os atuais 14 milhões de desempregados não contribuem com a previdência social.

Ortiz representou o presidente nacional da Força Sindical, Miguel Eduardo Torres, que também preside o sindicato dos metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes.

O vice-presidente do Sintracomos, Luiz Carlos de Andrade, defendeu a unificação das secretarias estaduais de trabalho e de desenvolvimento econômico para gerar emprego.

O presidente do Sintracomos, Macaé Marcos Brás de Oliveira, coordenou os trabalhos, criticou a reforma trabalhista e o aprofundamento do desemprego.

Cetep

O deputado federal João Paulo Tavares ‘Papa’ (PSDB) falou sobre o projeto de lei que ele relata, criando a profissão de gerontólogo, que já tem cursos na USP e UNB.

O parlamentar, que já foi prefeito de Santos, disse que continua incentivando a empresa de economia mista Prodesan, cujos empregados são representados pelo Sintracomos.

O deputado estadual Paulo Correa Júnior (PEN) falou sobre o projeto de lei de sua autoria que torna de utilidade pública a escola profissionalizante do Sintracomos.

Também estava presente o vereador de Santos Bruno Orlandi (PSDB), que concedeu o título de utilidade pública municipal à escola, Cetep, que tem 16 anos.

Para comemorar o aniversário do departamento, o Sintracomos ofereceu um café da manhã à categoria, exames de pressão arterial, de diabete, limpeza de pele e corte de cabelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *